sábado, julho 13, 2024

Inspirada em um modelo de gestão corporativo, empreendedora social beneficia mais de 84 mil pessoas por ano na periferia de São Paulo

Compartilhar

“Que nenhuma criança passasse fome e tivesse uma casa para morar”. Esse sempre foi o propósito de Rosane Luciane Chene, 53 anos, que migrou de executiva na área de tecnologia a empreendedora social. Ela fundou uma ONG que hoje beneficia mais de 84 mil pessoas por ano, em Pirituba, na periferia de São Paulo. Há 21 anos, a ONG PAC (Projeto Amigos da Comunidade) gera impacto social positivo para pessoas em situação de vulnerabilidade por meio de sete programas de assistência.

Comandada por Rosane, em 2023, a ONG contribuiu para que mais de 240 famílias das mais de 1.150 assistidas pudessem ter condições sociais, emocionais e econômicas de seguirem autônomas. Para isso, Rosane utilizou suas softs skills de gestão corporativa e expertise na área da tecnologia para desenvolver metodologias e estratégias que subvertessem os desafios presentes no Terceiro Setor (desde escassez financeira a necessidade de inovar).

Nesse sentido, a empreendedora social implementou, com o apoio de uma equipe multidisciplinar, composta por assistentes sociais, psicólogas e pedagogos, o sistema de Gestão da Assistência Social (GAS). Uma plataforma automatizada que reúne dados colhidos pelas assistentes sociais e consegue indicar quais são as necessidades a serem trabalhadas com cada família atendida pela ONG. A partir desse sistema, a organização pôde colher dados e identificar, por exemplo, que mais de 72% dos atendidos correspondiam a pessoas negras, e a partir disso, elaborar programas como: o AfroPAC, que oferece formações workshops e letramento racial a comunidade, o PAC Zen, que oferece um espaço gratuito voltado exclusivamente para cuidados com a saúde mental e bem-estar das famílias e comunidades assistidas pela ONG, entre outros.

“Com o sistema conseguimos entender com detalhes as necessidades das famílias cadastradas. Dessa forma, podemos oferecer recursos para a promoção de uma transformação social efetiva”, comenta Rosane Chene, empreendedora social e diretora da ONG PAC.

Para Rosane, o investimento em inovação e diversificação das fontes de rendas foram fundamentais para a ONG PAC crescer e “ir além do assistencialismo e promover o impacto social positivo” por meio da geração de renda, educação e profissionalização de jovens e adultos.

“É possível gerir uma ONG com profissionalismo e bons resultados. Agregar os conhecimentos da gestão na área de tecnologia foram cruciais para aliar criatividade e inovação, para tomar decisões estratégicas”, comenta a empreendedora social.

Para garantir o propósito da ONG, a empreendedora também desenvolveu uma cultura organizacional com visão de negócio, no qual considera seus assistidos como clientes, utilizando indicadores como NPS (Net Promoter Score) que mede a satisfação com a organização e também é uma ferramenta de avaliação dos projetos oferecidos. “Infelizmente, na nossa cultura, acredita-se que pessoas que estão em situação de vulnerabilidade devem aceitar qualquer tipo de ajuda. No PAC trabalhamos de outra forma, nosso objetivo é oferecer um serviço de qualidade a comunidade, essas pessoas são nossos principais clientes”, aponta Rosane Chene.

Trajetória

Filha do meio de três irmãos, Rosane nasceu e cresceu na cidade de Jundiai, à 60 km da capital paulista. Iniciou sua carreira profissional cedo como escriturária fiscal, em um escritório de contabilidade e em paralelo aos estudos se matriculou em um curso técnico de Processamento de Dados.

O curso logo lhe rendeu outro emprego, como digitadora de faturamento e ali ela descobriu sua paixão pela área da tecnologia.

A gravidez aos 19 anos, da sua primeira filha, não a impediu de continuar sua carreira e seguir com os estudos na área. Em 1994, já como estagiária em tecnologia, Rosane foi incentivada por amigos para candidatar-se a vaga de desenvolvedora de software na TOTVS, passou e tornou-se a primeira mulher a exercer essa função na empresa. Em cinco anos, Rosane chegou ao cargo de gerente de projetos e logo depois, executiva de desenvolvimento de software na TOTVS, figurando como única mulher na história da empresa a ocupar essa posição até aquele momento, contrariando estáticas de um setor dominado por figuras masculinas.

Segundo dados do mais recente Relatório de Diversidade da Brasscom, a Associação das Empresas de Tecnologia da Informação e Comunicação (TIC), apenas 36% das mulheres na área de Tecnologia ocupam cargos de liderança.

Mesmo sendo referência no setor de tecnologia, Rosane sempre carregava sua preocupação com a desigualdade social. Em paralelo ao seu trabalho, ela realizava atividades de voluntariado corporativo na TOTVS, no projeto social da empresa o Instituto da Oportunidade Social (IOS).

Com o trabalho voluntário no IOS, liderou inúmeras transformações até receber o convite do fundador da TOTVS para a presidente projeto social.

Por cinco anos, Rosane conciliou a carreira de executiva na TOTVS, a de presidente do IOS, além de sua responsabilidade como mãe. A executiva atuou na posição de presidente do IOS durante 8 anos. No total, dedicou-se por quase 30 anos na área da tecnologia, sendo 19 anos somente na TOTVS ocupando posições de liderança.

Além do voluntariado corporativo e a atuação com o IOS, Rosane também participava de iniciativas voluntárias, reunindo amigos para visitar casas de acolhimento de crianças e adolescentes em situação de vulnerabilidade.

Dessa iniciativa com amigos que foram se multiplicando, ela fundou oficialmente em 2003, na região de Pirituba (SP) a ONG “Projeto Amigos das Crianças (PAC)”. Em 2017, já com sua segunda filha Luíza e seu envolvimento com a ONG cada vez maior, Rosane tomou a decisão de deixar o cargo de liderança na empresa para se dedicar ao PAC, como cofundadora e diretora.

A partir disso, passou a aplicar as principais técnicas de gestão, aprendidas ao longo de sua carreira como executiva na área da tecnologia. Com isso, a empreendedora social viu o projeto crescer, assumir novas frentes e ampliar sua atuação para adultos, adolescentes, até chegar em toda a comunidade. Em razão disso, em 2022, a ONG passou a se chamar “Projeto Amigos da Comunidade”. Hoje, com mais de 21 anos de atuação, o PAC conta com mais de 100 colaboradores e mantém oito programas sociais (CCA, SASF, três SAICAS, Jovem com Futuro, POP – Programa de Oficinas PAC e PAC Zen), além de oficinas culturais e de geração de renda que atendem mais de 7.000 pessoas em situação de vulnerabilidade social, nos bairros de Pirituba, Jaraguá e Pq. São Domingos, mensalmente.

Sobre o PAC - Projeto Amigos da Comunidade 

Fundado há 21 anos, o PAC – Projeto Amigos da Comunidade uma Organização Social sem fins lucrativos certificada pelo CEBAS – Certificação de Entidades Beneficentes de Assistência Social - que atende a população em situação de vulnerabilidade e/ou risco social nos distritos de Pirituba, São Domingos e Jaraguá (SP).  Atualmente, o PAC conta com mais de 100 funcionários, cerca de 5.000 voluntários, 192 mantenedores via doação e mais de 10 empresas parceiras que subsidiam as oficinas promovidas pela organização, como Elo, Sow, Co.Aktion, Netas, Totvs Meridional, R3 e Zendesk.     

Leia Mais

Outras Notícias