quinta-feira, junho 20, 2024

Transição energética: Representantes do MBCB apresentam estudo ao ministro do Trabalho

Compartilhar

O ministro do Trabalho e Emprego, Luiz Marinho, se reuniu nesta semana com executivos de empresas que fazem parte do Acordo de Cooperação Mobilidade de Baixo Carbono para o Brasil (MBCB) para conhecer o estudo ‘Trajetórias Tecnológicas mais Eficientes para a Descarbonização da Mobilidade’. O levantamento identifica o enorme potencial do país para liderar globalmente o processo de transição energética com seus reflexos na mobilidade, assegurando a geração de emprego e renda. O documento foi encomendado pelo MBCB e elaborado pela LCA Consultores e MTempo Capital.

O estudo mostra que a rápida implementação de diferentes rotas tecnológicas para a descarbonização dos transportes pode gerar impactos positivos de R$ 7 trilhões no PIB e geração de 1,5 milhão de empregos.“Os dados do estudo apresentam um cenário promissor e uma oportunidade estratégica para o país, tanto do ponto de vista econômico quanto social. O MBCB terá o meu apoio e de toda a equipe do Ministério do Trabalho e Emprego para iniciativas que promovam emprego e renda, especialmente na indústria de mobilidade de baixo carbono”, afirmou o Ministro Luiz Marinho.

Aroaldo Silva, presidente da IndustriALL Brasil e representante do MBCB, destacou a importância da participação do Ministério do Trabalho e Emprego nesse tema. “O ministro participou das discussões embrionárias da criação do MBCB, antes da formalização do acordo, pois compreende a dimensão do impacto da descarbonização dos transportes nas relações de trabalho. Estamos satisfeitos porque ele reforçou esse compromisso de apoiar as políticas públicas que preservem o emprego na indústria brasileira”, destacou Silva.

Durante a reunião, o grupo apresentou as vantagens competitivas do Brasil para a descarbonização dos transportes, graças a suas matrizes energética e elétrica limpas, compostas por energia renovável combinada ao conhecimento em biocombustíveis, principalmente o etanol. “Com avanços em outras rotas tecnológicas, e o apoio dos mais diversos setores da sociedade, o país pode se destacar como centro global no desenvolvimento de soluções de baixo carbono”, explicou Fernando Camargo, sócio-diretor da LCA Consultoria.

Além dos impactos na preservação ambiental, as estratégias sugeridas pelo estudo promovem a neoindustrialização com recursos sustentáveis e renováveis, ganhos em produtividade, geração de empregos qualificados e consequente aumento da renda e da qualidade de vida da população brasileira.

Clique aqui para acessar o sumário executivo e confira o estudo na íntegra aqui.

Leia Mais

Outras Notícias