quinta-feira, junho 20, 2024

Logística verde colabora com redução das emissões de CO2

Compartilhar

Instituído pela Organização das Nações Unidas (ONU), o Dia Mundial do Meio Ambiente é celebrado anualmente em 5 de junho, com o objetivo de conscientizar a população sobre a preservação dos recursos naturais e do desenvolvimento sustentável. Logo, a data enfatiza os obstáculos ambientais existentes no planeta com a finalidade de criar uma postura crítica e ativa da sociedade em prol do meio ambiente.

Diante da urgência para encontrar medidas e soluções que minimizem os impactos industriais, a logística verde, também conhecida como logística ecológica, se tornou fundamental para as empresas desenvolverem a sustentabilidade operacional. Inclusive, a implementação desta estratégia não apenas protege o meio ambiente, como também resulta em economias significativas e aumento da eficiência empresarial.

Promovendo um futuro mais ecológico, a logística verde é reconhecida como um investimento inteligente, ao passo que contribui para a redução das emissões de CO2, fator chave no aquecimento global. Pensando nisso, Alvaro Loyola, Country Manager da Drivin Brasil, scale-up e partner tecnológico que otimiza os processos logísticos de frotas líderes no mercado da América Latina, elencou abaixo soluções sustentáveis, a exemplo da otimização das rotas e a utilização de veículos mais eficientes. Confira:

Veículos elétricos e alternativos: De acordo com um levantamento do The International Council on Clean Transportation (ICCT) Brasil, os veículos elétricos demonstram uma redução de 65% a 67% nas emissões de GEE em comparação com os modelos flex. Neste sentido, a transição para uma frota de elétricos, híbridos ou que utilizem combustíveis alternativos é uma medida essencial para reduzir as emissões de CO2 e outros poluentes.

“Os veículos elétricos, em particular, não emitem gases diretamente durante a operação e, ao serem recarregados com energia renovável, seu impacto ambiental é ainda mais reduzido. Além disso, vale pontuar que a manutenção dessas frotas tende a ser mais econômica e menos frequente, quando comparada às tradicionais de combustão interna”, explica Alvaro.

Armazenamento e gestão de inventários: Os armazéns e centros de distribuição são fundamentais nas operações logísticas. Logo, implementar práticas sustentáveis nessas instalações representa um impacto significativo na redução do consumo de energia e das emissões.

Segundo Loyola, uma gestão de inventários eficiente evita o excesso de estoque e reduz o desperdício de produtos, sendo assim benéfico tanto para o meio ambiente quanto para uma melhor eficiência operacional. Inclusive, tecnologias avançadas como análise preditiva preveem a demanda com maior precisão, diminuindo o risco de superprodução e obsolescência de produtos.

“Quanto aos armazéns ecológicos, há soluções simples que maximizam a eficiência energética e minimizam o impacto ambiental, a exemplo da instalação de iluminação LED, sistemas de climatização eficientes e o uso de energias renováveis como solar ou eólica”, complementa o executivo.

Otimização de rotas: Os softwares de planejamento e otimização de rotas auxiliam na redução do consumo de combustível e nas emissões de gases de efeito estufa (GEE), uma vez que eles analisam diversas variáveis, como o tráfego, as condições das estradas e as paradas, a fim de projetar itinerários mais eficientes.

Ademais, cada veículo na estrada e quilômetro percorrido possui um impacto no planeta. “Nos comprometemos com um futuro sustentável e, sobretudo, em promover uma estratégia de logística verde nas empresas, que fomente cada vez mais a sustentabilidade. Pensando nisso, em parceria com a Carboneutral, lançamos recentemente um painel gratuito de medição de emissões de gases de efeito estufa da cadeia de transporte. Capaz de medir, controlar e compensar a pegada de carbono de mais de 500 empresas de logística da América Latina, a ferramenta monitora diariamente mais de 45 mil veículos”, explica Alvaro.

Logística Reversa: A logística verde está diretamente ligada à logística reversa, devido à natureza de reaproveitamento dos produtos. O processo possui múltiplos benefícios, tanto para a empresa quanto para o consumidor final, uma vez que leva a mercadoria de volta à sua origem ou ganha um novo destino, como a reutilização, o conserto, a reciclagem ou até mesmo o descarte de um determinado item.

“A logística reversa se relaciona diretamente com a questão ambiental, pois está interligada ao que acontece com um objeto quando este não é mais desejado pelo cliente. Os produtos devolvidos e manuseados podem ser perecíveis, tóxicos ou difíceis de serem reaproveitados e, por essa razão, necessitam de um destino adequado e sustentável. Manter uma prática de excelência na logística reversa além de sustentável, auxilia na manutenção da relação de confiança entre consumidor e fornecedor”, destaca Alvaro.

De fato, a tecnologia desempenha um papel crucial na transição para uma logística verde. Não à toa, as inovações em rastreamento e monitoramento, bem como em automação e robótica, estão transformando a maneira como as empresas gerenciam suas operações logísticas. Portanto, em um mundo em que os consumidores estão cada vez mais conscientes do impacto ambiental de suas decisões, adotar uma logística verde deixou de ser apenas uma opção ética, como também uma decisão estratégica inteligente.

Leia Mais

Outras Notícias