quinta-feira, junho 20, 2024

Saiba como evitar os 3 principais crimes online que afetam a comunidade LGBTQIAPN+

Compartilhar

Em um mundo onde 64 países ainda criminalizam a homossexualidade e os crimes de ódio contra pessoas LGBTQIAPN+ são uma realidade (relatório da Statista de 2024), compreender os desafios e perigos que essa comunidade enfrenta no ambiente online é essencial para construir um espaço virtual seguro e inclusivo. Assim, simpatizantes, defensores e membros da comunidade devem estar cientes das ameaças e tomar medidas proativas para se proteger dos ataques que vêm de diferentes frentes. Vamos explorar os crimes online enfrentados pela comunidade LGBTQIAPN+ e as estratégias para mitigá-los.

1- Cyberbullying e abuso

Os jovens LGBTQIAPN+ enfrentam duas vezes mais chances de serem vítimas de cyberbullying do que seus pares heterossexuais. Mensagens de ódio e trollagem são uma realidade diária para muitos membros da comunidade, podendo causar danos psicológicos profundos. Além disso, um levantamento realizado pelo Instituto Polis revelou que o número de registros por homofobia e transfobia (físico e online) cresceu mais de 15 vezes entre 2015 e 2022 na cidade de São Paulo.

Em 2015, foram 63 boletins de ocorrência, enquanto em 2022, esse número aumentou para 960 registros (um salto de 1.424%). As notificações de violência LGBTfóbica nas unidades de saúde da capital cresceram 10,8 vezes entre 2015 e 2023.

Para mitigar esse tipo de crime, algumas ações se mostram essenciais:

– Denuncie as mensagens de ódio e abuso para as plataformas online.

– Utilize as opções de bloqueio para evitar interações indesejadas com agressores.

– Eduque a comunidade à sua volta sobre os efeitos nocivos do cyberbullying e da intolerância online.

– Se possível, forneça apoio emocional e recursos para vítimas de cyberbullying, incluindo serviços de aconselhamento e grupos de apoio.

– Pressione as plataformas online a implementarem políticas rigorosas contra o cyberbullying e a discriminação com base na orientação sexual e identidade de gênero.

– Promova uma cultura de respeito e inclusão nas redes sociais, incentivando a moderação no uso de linguagem ofensiva e estereótipos prejudiciais.

2- Doxxing e Deadnaming

Doxxing, a prática de expor informações pessoais online, e deadnaming, o ato de se referir a uma pessoa trans pelo nome que ela usava antes da transição, representam sérios riscos para a segurança e o bem-estar da comunidade LGBTQIAPN+. A perda de controle sobre a própria identidade e a exposição a assédio e violência são consequências potenciais desses ataques. Para evitar esse tipo de crime online, algumas ações podem ser tomadas:

– Defender políticas rigorosas de proteção de dados nas plataformas online, exigindo medidas de segurança para evitar vazamentos de informações pessoais.

– Pressionar por legislação que puna o doxxing como crime cibernético e proteja as vítimas contra a exposição não consensual de suas informações.

– Usar soluções de VPN para manter a privacidade da conexão e dos dados.

– Ajustar as configurações de privacidade nas redes sociais, criptografar o tráfego online e evitar compartilhar informações pessoais em excesso. 

3- Catfishing

Catfishers, aqueles que criam identidades falsas online, podem representar uma ameaça à comunidade LGBTQIAPN+, resultando em situações perigosas, como doxxing ou outros tipos de violência. É crucial adotar cautela ao interagir com pessoas conhecidas no meio online, além de marcar encontros presenciais em locais seguros e públicos. Algumas ações para evitar esse tipo de ataque são:

– Incentivar a verificação de identidade em plataformas de namoro e redes sociais, para ajudar a reduzir a incidência de perfis falsos e catfishers.

– Utilizar ferramentas e recursos de autenticação, como verificação de fotos ou contas vinculadas a números de telefone, sempre que possível.

– Estabelecer diretrizes para encontros presenciais, propondo que ocorram em locais públicos e seguros, com a presença de outras pessoas.

– Compartilhar somente as informações necessárias, de forma responsável e criteriosa, evitando revelar detalhes sensíveis.

– Explorar e utilizar recursos de segurança oferecidos por plataformas de redes sociais e aplicativos de namoro, como bloqueio de usuários suspeitos e relatórios de comportamento inadequado.

– Manter-se atualizado sobre as políticas de segurança e privacidade das plataformas online utilizadas e reportar qualquer atividade suspeita ou abusiva.

– Levar a sério as violações de dados, utilizar senhas únicas e robustas e empregar ferramentas de segurança, como navegadores seguros e VPNs. 

Proteger a comunidade LGBTQIAPN+ online requer conscientização e ação proativa contra os perigos e ameaças que enfrentam. Ao adotar estratégias de proteção, como denunciar abusos, gerenciar dados e melhorar a segurança cibernética, é possível criar um ambiente online mais seguro e inclusivo para todos. É responsabilidade de todos promover um espaço virtual onde a diversidade e a segurança sejam valorizadas e protegidas.

Maria Eduarda Melo, Country Manager da NordVPN.

Leia Mais

Outras Notícias