quarta-feira, maio 22, 2024

Congresso Internacional do Alumínio anuncia investimento de R$ 30 bilhões no setor e compromisso com descarbonização

Compartilhar

No 9º Congresso Internacional do Alumínio, realizado pela Associação Brasileira do Alumínio (ABAL), dias 10 e 11 de abril em São Paulo, representantes da cadeia produtiva e consumidora, especialistas, acadêmicos e autoridades governamentais compartilharam experiências e conhecimentos, inspirados pelo tema “Juntos, construindo um futuro de infinitas possibilidades e transformações”. 

Durante o congresso, foi anunciado investimento de cerca de R$ 30 bilhões no setor até 2025. A medida visa fortalecer a indústria e melhorar a gestão dos processos ambientais para descarbonização do setor. Os incentivos à economia de baixo carbono, o fortalecimento de toda a cadeia produtiva e a alavancagem das vantagens competitivas foram aspectos relacionados como essenciais para o êxito do processo de reindustrialização.

“O alumínio é um material estratégico para o fortalecimento de uma indústria de base e essencial para o atendimento da demanda de mercados consumidores altamente exigentes, como embalagens, transportes, energia e construção civil. O Brasil reúne uma série de vantagens competitivas, associadas à disponibilidade de ativos estratégicos, à verticalização da cadeia produtiva e à forte agregação de valor”, disse Janaina Donas, presidente-executiva da ABAL, durante a abertura do Congresso.

No painel “O cenário global da indústria do alumínio”, voltado às perspectivas e tendências de crescimento do setor, a presidente-executiva da ABAL destacou a importância do Brasil ser mais do que um exportador de commodities. “O Brasil está entre os países capazes de entregar produtos de valor agregado e pode assumir uma posição de vanguarda no processo de descarbonização da indústria nacional”, explicou Janaina.

Miles Prosser, secretário-geral do Instituto Internacional do Alumínio (IAI), ressaltou em sua apresentação no Congresso as projeções que apontam para uma tendência de aumento da escala mundial de produtos de alumínio na ordem de 40% até 2030 e a importância do Brasil neste cenário. Miles vê com otimismo o futuro do mercado de alumínio e reforçou o compromisso do setor com as questões sustentáveis e com as mudanças climáticas.

“Os desafios da cadeia do alumínio estão aliados à preocupação com a sustentabilidade. Pela primeira vez, a produção global do metal aumentou 3,9%, enquanto as emissões de gases com efeito estufa (GEE) diminuíram 4,4%, resultado da implementação de processos e soluções inovadoras da indústria na transição de uma economia de baixo carbono”, disse Prosser.

Leia Mais

Outras Notícias