quarta-feira, maio 22, 2024

Após resultados da auditoria de emissões de carbono, a agência LatAm Intersect PR estabelece estrutura para a responsabilização climática

Compartilhar

Pelo segundo ano consecutivo, a agência de comunicações e relações públicas LatAm Intersect PR anunciou os resultados de sua própria auditoria interna de emissões de carbono como parte de um compromisso renovado em direção à neutralidade de carbono. A Chefe de DEI, Comunicações de Gênero e Meio Ambiente da agência, Carolina Proaño Wexman, liderou a equipe através da Calculadora de Estilo de Vida de Mudanças Climáticas das Nações Unidas e, à luz dos resultados, estabeleceu um novo plano de ação que pode servir como um guia tanto para espaços de trabalho remotos quanto agências de relações públicas em toda a América Latina.

“A estrutura que achamos que funciona melhor envolve quatro fatores principais: transparência, responsabilidade, comprometimento e autenticidade”, explica Carolina. “Estou feliz por usar a LatAm Intersect PR como modelo para outras empresas numa posição semelhante que procuram tomar ações concretas na luta contra as alterações climáticas.”

Para garantir a transparência, Claudia Daré, Diretora da LatAm Intersect PR, sugere que as organizações comuniquem abertamente não só as ações que estão tomando para reduzir a sua pegada de carbono, mas também as ferramentas e metodologias que utilizam para calcular e gerir as suas emissões.

“Se não for possível investir em certificações oficiais, existem metodologias acessíveis e reconhecidas para garantir a credibilidade dos dados reportados, como a Calculadora de Estilo de Vida sobre Mudanças Climáticas da ONU”, explica Daré.

Depois, para ela, vem a responsabilização, que envolve relatar com precisão quaisquer progressos ou retrocessos que a empresa possa ter encontrado no seu caminho para a sustentabilidade.

“No ano passado, nossas emissões médias foram de 8,81 toneladas de CO2. Este ano, apesar de fazermos ajustes e melhorarmos nossas ações, aumentamos para 9,50 toneladas de CO2, principalmente devido aos eventos presenciais e ao crescimento da equipe. No entanto, isto apenas reforçou o nosso compromisso com a melhoria contínua”, observa a empresária.

Uma parte essencial da responsabilização do trabalho remoto e das agências boutique é dissipar o mito de que são neutras em carbono por natureza, argumenta a executiva. “Embora reduza significativamente as emissões associadas ao transporte e à manutenção de espaços físicos de escritório, o trabalho remoto não garante que uma empresa alcançará o status de Carbono Zero.” Para que a educação em torno do tema vá além, deve ser também realizado o trabalho de conscientização da equipe – e a agência LatAm Intersect PR vem fazendo reuniões e explicações sobre o assunto.

Como a LatAm Intersect PR demonstrou, as atividades de trabalho remoto ainda geram uma pegada de carbono através do consumo de energia e das escolhas individuais de estilo de vida dos colaboradores. Claudia acrescenta: “Portanto, mesmo em um ambiente de trabalho remoto, é fundamental adotar medidas conscientes e sustentáveis para minimizar o impacto ambiental”.

Com a equipe internacional da agência na América Latina e na Europa aumentando e uma série de reuniões presenciais do time em São Paulo e na Cidade do México, a LatAm Intersect PR lutou para manter suas emissões totais de carbono iguais ou inferiores às de 2023. Isto levou a agência a considerar investir na compensação de carbono e outras formas de reduzir a sua pegada de viagens para avaliações futuras.

“Compromisso significa estar nisso por muito tempo”, Daré continua. “Este é apenas o nosso segundo ano, mas já sinto que aprendemos muitas lições que podemos compartilhar com nossos colegas. A gestão das emissões de carbono não é apenas uma responsabilidade corporativa, mas também uma oportunidade para liderar pelo exemplo, mostrando um compromisso genuíno com a sustentabilidade e o bem-estar planetário.”

Essas ações levam à autenticidade, ou como, segundo Claudia explica, o protagonismo ambiental pode se tornar uma vantagem para empresas como as que trabalham em relações públicas e mídia, cuja reputação é parte intrínseca de sua identidade.

“Autenticidade significa evitar o greenwashing e focar em ações concretas e verificáveis como elementos essenciais para construir uma reputação de integridade e responsabilidade ambiental”, acrescenta. “Num mundo cada vez mais consciente dos desafios ambientais, a responsabilidade das empresas e organizações de mitigar o seu impacto ambiental transcende a mera conformidade regulamentar para se tornar um imperativo ético e social”, observa Carolina Proaño.

Para ela, autenticidade também significa que as organizações devem evitar cair no “greenwashing” ao afirmarem ser “Carbono Zero” sem provas concretas para apoiar tais afirmações. E só então, quando estiverem trabalhando na melhoria das práticas ambientais, é aconselhável divulgar essas estratégias e esforços verdes. “Esta é a nossa estrutura simples daqui para frente: transparência, responsabilidade, compromisso e autenticidade”, conclui Carolina. “Esperamos que nossos parceiros e pares da indústria considerem nosso exemplo e reflexões convincentes e inspiradoras.”

Leia Mais

Outras Notícias