sexta-feira, maio 17, 2024

P&G celebra a equidade de gênero com compromisso para combater preconceitos e promover oportunidades igualitárias

Compartilhar

À medida que se aproxima o Dia Internacional da Mulher, celebrado em 8 de março, a P&G, uma das maiores empresas de bens de consumo do mundo, destaca seu compromisso sólido com a equidade de gênero. Em seu Centro de Inovação para o Brasil e a América Latina (LAIC), mais da metade de equipe de cientistas é composta por mulheres, assim como metade das posições de liderança em toda a companhia também é ocupada por mulheres.

Este compromisso com a equidade é centenário. Em 1884, a P&G foi pioneira em contratar mulheres na linha de produção das fábricas. Seu primeiro laboratório de pesquisa, inaugurado em 1890, já contava com a presença de uma mulher em cargo técnico. Já em 1926, foi contratada a primeira mulher PhD, a Elsa Schulze. Ela se tornou líder do próprio departamento e foi responsável por contratar mais 37 cientistas químicas. Inclusive, foi uma mulher, a Norma Becker, uma das responsáveis pela criação das fraldas Pampers. Becker co-liderou o trabalho de desenvolvimento da primeira fralda descartável acessível que chegou ao mercado em 1961.

A companhia reconhece a importância de promover a diversidade e a inclusão em todas as regiões em que atua e busca incentivar discussões relevantes que promovam a confiança para todas as pessoas, independentemente de etnia, religião, gênero, orientação sexual, condição física e cultura. Por isso, também participa e colabora com movimentos que buscam alcançar e promover cada vez mais a igualdade de gênero no ambiente profissional e na sociedade, como o Movimento Mulher 360º, WEConnect International, ONG Catalyst, United Way, entre outros.

Mulheres na Ciência

No LAIC, mais da metade da equipe de cientistas é composta por mulheres e muitas delas lideram o desenvolvimento de diversas marcas da P&G, como Pampers, Gillette, Oral-B, Always, Pantene e Downy. Dados mundiais da UNESCO de 2023 apontam que a porcentagem média de pesquisadoras no mundo é de 33,3%, e apenas 35% de todos os estudantes das áreas de STEM (áreas de ciência, tecnologia, engenharia e matemática) são mulheres. Além disso, elas têm menos chance de se tornarem cientistas seniores, recebem menos financiamento de pesquisa do que os homens e têm menos probabilidade de serem promovidas.

A empresa vai na contramão desses levantamentos, promovendo, buscando e se comprometendo com a igualdade e a inclusão, em todos os aspectos. “As mulheres têm o poder de conquistar em qualquer campo, inclusive na ciência. Na P&G, estamos comprometidos em ser agentes de transformação, influenciando positivamente toda a nossa cadeia e a sociedade. Trabalhamos diariamente para esse propósito, seja por meio de nossos produtos, das comunicações de nossas marcas ou internamente, onde nosso notável time de cientistas mulheres faz a diferença a cada dia. Equidade e inclusão não são apenas palavras-chave, mas sim valores fundamentais na P&G, integrados aos nossos princípios e à nossa estratégia de negócio.”, afirma Cinthia Oliveira, diretora Sênior de Comunicação e ESG para o Brasil e a América Latina.

Recentemente, a P&G abriu as portas do LAIC e promoveu um encontro especial com pesquisadoras, influenciadoras e jornalistas da área de ciências, com o objetivo de apresentar as talentosas cientistas e seu trabalho por trás de icônicas inovações que melhoram o dia-a-dia das pessoas. Durante o evento, destacou-se a importância dessas profissionais, cujas contribuições impulsionam avanços em mais de 20 marcas. A atriz e empresária Marina Ruy Barbosa, embaixadora da Pantene Brasil, também prestigiou o evento e compartilhou, em um bate-papo descontraído, memórias inesquecíveis vividas ao lado da marca, relembrando o lançamento de suas queridinhas ampolas de Pantene.

Mulheres no topo

As mulheres desempenham um papel fundamental na liderança da P&G. Juliana Azevedo e Maria Belen Silvestris são notáveis exemplos. Juliana, atual presidente da P&G América Latina, é a primeira brasileira e mulher a ocupar o cargo. Com quase 30 anos de experiência na companhia, a executiva entrou na P&G como estagiária e se desenvolveu até liderar a organização brasileira de 2018 até 2022, também sendo a primeira liderança feminina na posição. Sob sua liderança, iniciou uma transformação abrangente nos negócios, na organização e na governança, alcançando resultados extraordinários.

Maria Belen Silvestris tem mais de 10 anos na P&G. Iniciou sua trajetória nas marcas Gillette e Oral-B, em 2011, na área de marketing, e desde 2014 atua na categoria de cuidados para a casa e roupa, além de liderar a área de inovações de todas as marcas. Em 2023, agregou mais uma responsabilidade ao seu cargo, expandindo a atuação para a área de Growth Marketing de todas as categorias da P&G. A executiva também é alpinista. Sua jornada começou em 2015 e hoje ela já superou seis das sete maiores montanhas do mundo: Kilimanjaro na Tanzânia (África), Elbrus na Rússia (Europa), Aconcagua na Argentina (América do Sul), Vinson (Antártida), Denali no Alasca, Estados Unidos (América do Norte) e Austrália (Oceania). Maria Belen destaca que o desempenho de sua carreira do montanhismo só é possível pele flexibilidade e cultura da P&G, que promove o equilíbrio entre vida pessoal e profissional.

A P&G promove políticas de trabalho flexíveis, como trabalho remoto, horários flexíveis e/ou horas parciais. Essas práticas são fundamentais para permitir que os colaboradores gerenciem melhor suas responsabilidades profissionais e pessoais. Também existe o programa de licença parental que permite que os funcionários, ao se tornarem pais, tirem até 8 semanas de licença, incentivando a participação ativa de ambos os cuidadores, complementando o suporte dado na licença maternidade estendida. Para gestantes, a empresa oferece benefícios como enxoval do bebê, auxílio creche, auxílio para filhos com deficiência, reembolso de leite e programas de acompanhamento ativo durante a gestação.

Além disso, a P&G busca conciliar suas práticas com as necessidades de todos os colaboradores proporcionando outras opções de licença, como a não remunerada ou a jornada parcial de trabalho, para aqueles que desejam dedicar mais tempo a outras atividades. Essas iniciativas refletem o compromisso da P&G em promover uma cultura inclusiva e equitativa.

Leia Mais

Outras Notícias