quarta-feira, maio 22, 2024

Cidadania corporativa: como as empresas podem ser mais inclusivas ao prevenirem fraudes

Compartilhar

Cidadania corporativa é o termo usado para o compromisso e responsabilidade social que uma empresa assume em relação ao impacto de suas atividades na sociedade e no meio ambiente. Também conhecida como responsabilidade social corporativa (RSC) ou responsabilidade social empresarial (RSE), a expressão implica que as empresas devem ir além de simplesmente buscar lucro e considerar os efeitos de suas operações nas comunidades em que atuam.

Cidadania corporativa e prevenção a fraudes

O cenário de crescentes fraudes no Brasil torna cada vez mais latente a necessidade de falarmos em prevenção a fraudes, bem como termos um olhar cada vez mais atento à sociedade para gerar mais inclusão digital. Diversos golpes poderiam ser evitados aliando tecnologia e uma boa experiência do cliente, por exemplo. Isso atenderia  diversas necessidades e diminuiria desafios, como lidar com interfaces difíceis, pouco intuitivas ou ferramentas com as quais as pessoas não estão totalmente habituadas.

A cidadania corporativa em prevenção a fraudes abre uma reflexão a respeito de grupos vulneráveis a golpes, tais como:

grupos étnicos, pois outras tecnologias de autenticação biométrica nem sempre são igualmente eficazes em diferentes tonalidades de pele, o que pode resultar em exclusão involuntária;

idosos que encontram dificuldades em se autenticar devido a interfaces complexas e requisitos tecnológicos avançados;

pessoas pouco ou não alfabetizadas;

pessoas com deficiência, como distúrbios de neurodesenvolvimento.

Uso acessível da biometria de voz

No cenário da cidadania corporativa na prevenção a fraudes, a biometria de voz surge como aliada à biometria comportamental, fortalecendo o ecossistema da segurança, assim como promovendo a inclusão digital e a preservação de ativos financeiros.

A biometria de voz, além de ser uma poderosa aliada na prevenção a fraudes, oferece uma abordagem segura, sem atritos e inclusiva na autenticação de usuários. Ao utilizar características únicas da voz, como timbre, sotaque e cadência, a tecnologia torna-se uma ferramenta robusta na detecção de atividades fraudulentas.

Quando consideramos essa tecnologia a uma das camadas de autenticação, estamos essencialmente introduzindo a voz como senha, uma abordagem altamente segura contra golpes.

Isso é especialmente relevante em situações de vazamento de dados, nas quais fraudadores podem ter acesso a todas as informações sobre a vítima, tentando burlar sistemas de segurança por meio de solicitações fraudulentas, como empréstimos, pagamentos e transferências.

A tecnologia avançada desse recurso oferece um formato em multicanais e integração inteligente, cobrindo diferentes plataformas, como URA e WhatsApp. A integração com CRM, Call Center, App e WhatsApp cria uma rede coesa, onde os canais conversam entre si. Isso permite uma jornada fluida com uma experiência incrível para o usuário, que pode ser autenticado em até 1 segundo.

A experiência do cliente, aliada à segurança proporcionada pela autenticação por biometria de voz, torna-se democrática, atendendo a diversos grupos de pessoas, desde idosos até pessoas pouco ou não alfabetizadas e aquelas com deficiência.

Ao adotar tecnologias inovadoras, as empresas conseguem promover uma experiência segura e confiável para milhões de usuários, consolidando ainda mais sua posição como líderes na prevenção a fraudes e segurança digital.

Aline Rodrigues Sanches, líder da Unidade de Negócios em Prevenção a Fraudes da Oakmont Group.

Leia Mais

Outras Notícias